Eles chegam mais leves rápidos e bonitos

Publicado em | fevereiro 28, 2012 | Comentários desativados

Boas notícias para usuários de computadores, depois de décadas esperando nossos PCs inicializarem usando a tal da BIOS, vamos poder ligar nossos aparelhos quase instantaneamente usando a tecnologia dos novos “ultra portáteis”.
Uma nova categoria de notebooks, os chamados ultra books, oferecem um design extremamente fino e leve. Esta nova classe de máquinas reúne uma lista de características que os usuários estavam pedindo há muito tempo:
Design atraente, leve  e ultra fino (20 mm de espessura), telas grandes e sensíveis ao toque, consumo elétrico eficiente para durar mais tempo na bateria (5 horas), processadores mais rápidos, mais memória RAM e melhor armazenamento. Os ultra books não são apenas bonitos, eles dão partida (Boot) muito mais rapidamente e se conectam às redes wireless em instantes!
A partida rápida é resultado do abandono da tecnologia BIOS, usada desde a década de 80, e também da implementação do uso da memória flash embutida na placa mãe.
Atualmente seu preço ainda é salgado, mas esperamos uma queda rápida nos preços com a entrada de novos modelos e marcas no mercado brasileiro.
Os ultra books também estão com novidades na segurança, protegendo sua identidade na Internet.
Os fabricantes avisam que estas melhorias vão chegar cada vez mais rapidamente ao mercado e vamos poder experimentar uma nova maneira de usar notebooks, com telas cada vez maiores, peso cada vez menor e baterias que duram cada vez mais.
Beleza, quero um!
Luiz Pryzant
Texto originalmente publicado na coluna da RedeTV

A Internet está a serviço do Planeta Terra

Publicado em | novembro 24, 2011 | Nenhum comentário

Nascer do sol no Planeta Terra

Segundo a Hipótese Gaia, nosso Planeta forma uma grande organismo vivo, todos os componentes físicos da Terra estariam interligados e funcionando em conjunto.

Em continuação a este conceito de Ecologia Profunda, temos a Internet e suas ferramentas de redes sociais que estão ajudando grupos em todos os países a se reunirem e participarem ativamente nas mudanças da política e economia.

As recentes Primavera Árabe e o impensável Occupy Wall Street contra a voracidade do sistema financeiro são exemplos gritantes de ações locais que afetam, o futuro do Planeta, como um gigante começando a aprender a se expressar de forma mais sutil.

Enquanto a Internet está ajudando às pessoas se conectarem umas com as outras, as redes sociais permitem a formação de grupos ou tribos conectadas que podem agir em conjunto para influenciar a política e mudar o que for preciso para melhorar a vida das pessoas na terra, para ajudar a preservar a Flora, a Fauna e o próprio futuro da humanidade.

O que percebemos agora é que o próprio Planeta também poderia se manifestar por esta grande consciência coletiva que estamos formando, é a democracia elevada à milésima potência, são as pessoas, sem intermediários ou representantes, que podem falar e agir conforme sua consciência e ideais, é o Planeta todo expressando seus sentimentos e necessidades em uma língua universal.

A questão filosófica está em saber se a humanidade quer fazer parte deste belíssimo organismo global ou somos apenas mais uma praga que deve seguir seu curso em direção à sua própria extinção.

Contra todas as previsões pessimistas, nosso Planeta ainda tem plenas condições de manter a vida com qualidade e abundância para todos, mas somente com a uma tomada de consciência universal, podemos reverter os caminhos e atalhos errados que alguns poucos resolveram seguir por erro, ganância ou simples ignorância.

Falando nisso, nosso pequeno Brasil está com uma agenda de problemas imediatos para resolvermos, podemos começar com a corrupção, mas precisamos correr para impedir que tanto esgoto e lixo sejam jogados em nossos próprios rios.

Saudações,

Luiz Pryzant

Novo estágio do namoro entre máquinas e gente

Publicado em | novembro 9, 2011 | Comentários desativados

Muito antes do início desta nossa Era Digital, escritores de ficção científica já sonhavam com a construção de robôs inteligentes capazes de realizar tarefas complexas para dar uma folga aos humanos.


Caso não consiga assistir o vídeo clique aqui

Nas últimas décadas experimentamos a popularização do acesso aos equipamentos, passamos pelo estágio de um computador em cada mesa e hoje vivemos os dias de um celular em cada mão, mas a ideia de um sistema inteligente que entenda nossas necessidades e ofereça soluções úteis ainda parecia longe de ser alcançado.

O novo aparelhinho portátil da Apple, o iPhone 4S lançado neste mês, é o primeiro a ter capacidade de rodar o aplicativo SIRI desenvolvido por um complexo ecossistema de parcerias científicas, chegou para mudar completamente a forma de nos relacionarmos com as máquinas daqui para frente, é o limiar de uma revolução na usabilidade, agora a máquina deve se adaptar ainda mais ao ser humano.

O SIRI é um assistente pessoal com Inteligência Artificial avançada que pode literalmente desempenhar tarefas e oferecer soluções úteis para seu usuário. Ele consegue entender e aprender a linguagem natural que falamos, e depois de processar milhares de informações que encontra na Internet ou em seu banco de dados, pode atender necessidades e desejos de seu dono, de forma única e personalizada.

Você pode ditar e enviar um texto, pedir uma ligação, agendar um compromisso, fazer perguntas sobre matemática, visitar amigos nas redes sociais ou saber a programação do cinema mais próximo, tudo por comandos de voz e ouvindo as respostas de forma clara e gentil.

Este é apenas um novo estágio do namoro entre máquinas e gente que começou há muitos anos, é um caminho sem volta, a conversa está apenas começando. Uma conversa disponível em inglês, francês e alemão, mas é questão de tempo para versões em português.

PS: A empresa que criou o SIRI foi comprada pela Apple em abril de 2010 impedindo sua expansão para Blackberrys, mas o Speaktoit para Android já oferece uma experiência bem parecida, apesar de incomparável.

Abraços,

Luiz Pryzant

Porque TODOS os governos odeiam a Internet

Publicado em | outubro 29, 2011 | Nenhum comentário

As revoltas populares no Egito, Tunísia , Líbia e Iêmen foram uma dádiva da velocidade e poder de engajamento da Internet e suas redes sociais.

Governos tirânicos e as ditaduras já odiavam a imprensa livre, mas subestimaram a liberdade de associação de grupos na Internet e só foram desligar os servidores quando o povo já tinha tomado as ruas.

Governos democráticos também estão aprendendo a ODIAR a Web, afinal a Internet expõe suas incompetências e segredos (wikileaks.org) ou supre necessidades da população de forma rápida, gratuita e sem burocracia, torna os governos cada vez mais supérfluos.

Educação, cultura, entretenimento, cursos profissionalizantes, serviços de saúde pública e informação, tudo grátis e rápido.

Exatamente o que os governos deviam estar fazendo mas estão velhos e caros, Legislativo, Executivo e Judiciário mal sustentam suas próprias estruturas, tirando gastos com a má administração e a corrupção, nada sobra para saneamento, educação ou saúde.

A gente nem percebe a censura à Internet nestes países “democráticos” ela é mais sutil, a Internet é “censurada” pela falta de acesso da população, cobram-se impostos dos equipamentos e softwares e impedem a entrada de concorrentes na banda larga.

O mesmo desperdício de talentos que acontece nos esportes por falta de incentivos simples e baratos, está ocorrendo com a falta da tecnologia e conexão, jovens de grande potencial desperdiçando talento por falta de um velho PC e acesso barato.

O Brasil tem bons projetos para liderar uma revolução de conectividade e universalização da Internet para sua população, mas falta aquele empurrãozinho definitivo que os povos árabes acabam de nos ensinar, vamos ter que exigir uma Internet com custos acessíveis para todos!

Internet Já!

Luiz Pryzant

Coluna RedeTV

Os novos livros

Publicado em | setembro 16, 2011 | Comentários desativados

Florbela EspancaUm e-book é um livro digital que pode ser lido na maioria dos dispositivos eletrônicos do mercado, qualquer computador de mesa, notebook, netbook, tablet, iPad, e até nos Blackberrys e Smartphones.

A edição digital precisa seguir os mesmos cuidados que um livro impresso, uma obra bem revisada e diagramada, da capa ao registro no ISBN.

Este formato é uma  alternativa viável para a divulgação de grandes obras clássicas até o lançamento de novos autores.

Com economia de papel, custos de impressão e distribuição, é um convite para você publicar e divulgar seu trabalho, aliás, chegou a vez do conteúdo! Agora a publicação de novas obras e novos autores não dependem mais da sorte ou oportunidades especiais nas grades editoras, com a estrutura tecnológica da Internet implantada, chegou a vez da universalização das oportunidades.

Falando nisto a AppStore que abastece os iPads está muito carente de títulos em português e praticamente tudo o que entra lá em nossa língua pátria é consumido vorazmente.

Os livros digitais ou e-books ainda apresentam muitos problemas de qualidade, especialmente nas questões técnicas, projetos gráficos, na revisão ortográfica e copydesk, mas é apenas questão de tempo para que novas editoras com profissionalismo e amor aos livros passem a encarar estes desafios.

Enquanto isso veja abaixo algumas bibliotecas digitais de Portugal com acervos de livros gratuitos que já estão em domínio público em edições que podem alegrar e impactar positivamente nossas vidas:

Biblioteca Nacional de Portugal

Projeto Gutemberg
Europeana
Google Books

Wikisource


Websites de Sucesso – Parte 1

Publicado em | agosto 2, 2011 | 1 comentário

Websites de sucesso por Luiz PryzantMuitos empresários ainda contratam serviços de desenvolvimento de websites por indicação de amigos ou após uma concorrência por menores preços.
Em geral, a preocupação é mostrar todos seus produtos e serviços de uma forma visual impactante, também existe uma solicitação para incluir ícones das principais redes sociais.
Só que depois de muito trabalho ninguém consegue explicar a baixa visitação ao novo website corporativo, a verdade é que o empresário acaba frustrado no pequeno ou nenhum retorno.
Trabalhando muitos anos nesta área percebi onde os projetos falhavam e que a solução vai muito além de um website bonito, ela envolve todo o processo de construção do novo site, desde seu planejamento, passando pela correta contratação até a definição das metas de resultados.
Um projeto de sucesso na Internet precisa nascer com uma visão comercial e de marketing, tem que ser planejado com objetivos claros apoiados por pesquisas sobre o público alvo e como ele se comporta no espaço virtual.
Também precisamos entender as expectativas deste público, em muitos casos, seu cliente quer apenas encontrar a loja mais próxima de sua residência ou telefone da empresa. Em outros casos há potencial para que seus clientes migrem o relacionamento completo para a Web, desde o primeiro contato até a compra e o pós-venda gerando muita economia e eficácia para todos.
Por isso a etapa da contratação é tão crítica, o mercado é formado por web designers free lance, empresas de desenvolvimento de software e agências digitais completas, são inúmeras soluções e tecnologias mas nem todas são adequadas ao seu negócio.
A Internet é um campo espetacular para fazer negócios, por isso avalie criteriosamente como deve ser sua imagem e sua presença na rede, busque consultoria técnica especializada para direcionar corretamente seus investimentos e fuja de soluções fáceis ou pré-fabricadas, o visual é apenas a camada final de uma estrutura de comunicação e tecnológica bem dimensionada para atender seu público e apoiar seus negócios.
Luiz Pryzant

Estudantes 2.0

Publicado em | julho 20, 2011 | Comentários desativados

Estudantes 2.0A Era Industrial trouxe a idéia de universalização do ensino, mas também veio com o conceito de uniformização da educação, todas as turmas aprendem o mesmo conteúdo no país inteiro, a escola tem a função de preparar mão de obra, as escolas formam verdadeiros exércitos de estudantes marchando juntos para prestar o vestibular e ocupar vagas padronizadas em fábricas e escritórios.
Nesta realidade aprender é memorizar fórmulas e datas e os alunos que desenvolvem estas habilidades tem melhores resultados nas provas e seus diplomas garantem bons cargos no mercado em nos concursos públicos.
O século XXI trouxe uma realidade mais desafiadora, a consolidação da “Era do Conhecimento” , um novo ambiente de negócios onde o futuro de muitas empresas depende da INOVAÇÃO, elas precisam de um novo tipo de pessoas em seus quadros, este novo funcionário também precisa ter um perfil 2.0, ele tem iniciativa e criatividade, deve estar sempre atualizado e saber usar a cabeça para se relacionar com clientes cada vez mais exigentes, as empresas não podem mais se dar ao luxo de desperdiçar a inteligência individual ou a capacidade de trabalho em equipe de seus funcionários.
O problema é que a escola tradicional não sabe formar este funcionário interativo, que sabe e gosta de desenvolver trabalho colaborativo. Este novo estudante é questionador, quer entender o currículo, quer saber “arquivar”cada grama de conhecimento no local certo, ele não tem mais tempo de mais ficar ouvindo passivamente, ele quer participar do processo de aprendizagem e trocar informações com seus mestres e também com seus colegas.
O aluno 2.0 sabe que seu processo de aprendizagem acontecerá durante toda a sua vida, e ele não pode ficar limitado a uma escola física da sua cidade e do seu país, ele precisa ter acesso a TUDO o que acontece no mundo, ele busca novas fontes de saber, quer aprender novas formas de estudar, ele precisa aprender a aprender!
Computadores conectados em rede são a grande solução, de um lado professores com paixão por suas profissões e com desejo de expandir cada vez mais suas áreas de atuação, de outro lado alunos com desejo de aprender e disciplina para utilizar Sistemas online com recursos para permitir o ensino à distância.
Esta revolução já começou no Brasil, temos cerca de 500 cursos via Internet em funcionamento e este universo só cresce a cada dia, é uma revolução que pode ser a solução para fazer o Brasil finalmente aproveitar todo o potencial que sempre prometemos e ainda não cumprimos.
Texto originalmente publicado na coluna da RedeTV

Querem estatizar o Google!

Publicado em | junho 21, 2011 | Nenhum comentário

O sonho do pessoal do marketing sempre foi conhecer o se passa na cabeça e no coração dos consumidores, o problema é que as pessoas respondiam uma coisa nas pesquisas mas se comportavam de outra forma no supermercado.
Agora cada busca que a gente faz na Internet pode mostrar nossos interesses, necessidades e desejos, mesmo que a privacidade individual esteja preservada, nossas buscas fazem parte de tendências estatísticas e assim a industria e o comércio poderão evoluir para um novo patamar, a idéia de atender o cliente pode ser levada às ultimas consequencias com a produção industrial sendo programada inteiramente pelos consumidores.
Assim os buscadores ou search engines chegaram ao centro do universo capitalista transferindo poder para cada pessoa que utiliza um computador em casa, na escola ou no trabalho.
Calcula-se que o faturamento anual do Google esteja na casa dos 20 bilhões de dólares e um crescimento impressionante de mais de 20% ao ano, tudo isso em uma empresa que oferece fundamentalmente serviços gratuitos!
O Google vai além de um bom mecanismo de busca ou um agregador da Internet. O Google é um exemplo de empresa que nasceu do idealismo de dois estudantes com profundos fundamentos acadêmicos e que revolucionou o mundo dos negócios provando que é possível ser “do bem” e ainda lucrar muito, pesquisando no Google descobri alguns fatos bacanas:
Empresa global: com de 3 mil funcionários onde todos sonham trabalhar, privilégios e mimos com suas equipes de trabalho se tornaram legendários incluindo salas de jogos, berçários e espaço para animais de estimação, refeições balanceadas e doces à vontade
Ambientalmente sustentável: os painéis solares do Googleplex poderiam iluminar mais de mil casas americanas, o gramado de seus jardins são aparadas por 200 cabras. De acordo com Larry Page e Sergey Brin além de amigável com o meio ambiente é “mais bonito de se ver que cortadores de grama”
Altamente inovadora: 50% dos novos produtos são criados por seus funcionários que podem dedicar até um dia por semana para seus projetos pessoais, alguns produtos que nasceram desta prática genial: Gmail, Orkut, GoogleNews e AdSense.
Totalmente voltada para o cliente: atende nossas buscas com qualidade e resultados de valor, o tempo de resposta de consulta média é de cerca de um quarto de segundo. Em comparação, a média de piscar um olho é um décimo de segundo.
Segura e confiável: O comportamento de uso e a privacidade de seus usuários são preservados independente de pressões financeiras ou de seus acionistas, aquele botão “estou com sorte” custa anualmente mais de 100 milhões de dólares em perda de receitas de propaganda, mas ainda assim é mantido por um compromisso ético.
Socialmente responsável: seu fundo filantrópico foi criado em 2004 com 1 bilhão de dólares (Google.org) com foco no ambientalismo e saúde do planeta
Divertida e útil: as traduções robóticas do Google estão cada vez melhores, hoje é possível ler e interagir em sites escritos em línguas e caracteres tão estranhos como o mandarim, árabe e até klingon
Os fundadores do Google Larry Page e Sergey Brin, ambos com 34 anos, estão entre os 10 americanos mais ricos nos Estados Unidos mas sua capacidade de influência no futuro do Planeta é incalculável.
Existem movimentos que lutam pela estatização do Google como forma de garantir  o controle deste Poder no futuro, mas uma empresa pública jamais conseguiria reproduzir este modelo de sucesso, um Google privatizado perderia sua relevância passando a ser apenas mais um site burocrático com funcionários públicos motivados apenas pelo horário de sair para a happy hour.
A realidade é que as pessoas já aceitaram informar seus dados pessoais e ter seu comportamento de consumo monitorado para receber em troca serviços gratuitos espetaculares.
O Google vai muito além de um grande bibliotecário organizando milhões de dados conforme sua relevância e valor, ele tem dezenas de produtos, todos nas nuvens, com ótima performance e segurança, tudo grátis!
Até agora estamos todos ganhando!
Texto originalmente publicado na coluna da RedeTV com o nome “Na Internet o barato não sai caro”

Häagen-Dazs não é Kopenhagen

Publicado em | abril 25, 2011 | Nenhum comentário

Haagen Dazs Denmark MapO nome Häagen-Dazs não possui significado em qualquer língua conhecida, são simplesmente duas palavras inventadas em 1961 para parecerem escandinavas pelo casal de imigrantes Reuben and Rose Mattus que fabricavam sorvetes no Bronx, New York.

Mattus pensou na Dinamarca que era conhecida por seus produtos lácteos e tinham uma imagem positiva nos EUA, a prova disto ficou gravada nos primeiros rótulos de sorvete com um  contorno do mapa da Dinamarca e o nome Copenhagen.

Hoje a Marca é propriedade da General Mills mas a Nestlé tem licença para produzir no Canadá e EUA, chegou ao Brasil em 1996 e possui 850 lojas em mais de 50 paises.

kopenhagen
Nada a ver com a nossa brasileiríssima Kopenhagen fundada em 1928 pelo casal Anna e David Kopenhagen.
Eles começaram com uma deliciosa receita de marzipã da Letônia, doce completamente desconhecido no Brasil.
Lembro que sua fábrica na Joaquim Floriano soltava perfume de chocolate pelo bairro do Itaim Bibi e seus bombons com licor de cereja que fizeram parte da minha vida.

O Grupo CRM aqui da Vila Nova Conceição é o atual gestor da Marca Kopenhagen e suas centenas de produtos.

Luiz Pryzant

Mas afinal para que eu preciso de um iPad?

Publicado em | fevereiro 18, 2011 | 3 Comentários

Os iPads são os representantes mais charmosos da categoria Tablet, são uma plataforma para leitura de jornais, revistas e livros, mas também  para diversão e para aprendizagem com jogos interativos online.
Em pouco tempo os iPads viraram um artigo necessário, um aparelhinho leve com a aparência de um pequeno caderno, possui tela de alta definição e ótima luminosidade, tornando um prazer folhear uma revista ou estudar em um livro.
Além de aplicações profissionais e divertidas os iPads estão se tornando grandes brinquedos pedagógicos, para crianças e adultos também.
Com um iPad a gente navega na Internet, responde emails, bloga, twita e assiste vídeos online.
A Apple ainda é líder com 95% de um mercado estimado em 50 milhões de unidades em 2011 e o dobro disto para 2012, mas outros fabricantes já estão se lançando na concorrência com modelos similares.
  • iPad é Marca Registrada da Apple Inc. Cupertino CA USA

Luiz Pryzant

Texto originalmente publicado coluna RedeTV

« VoltarVeja mais »